Av. Coronel Fernando Ferreira Leite, 1520

Conjunto 1016

Centro Profissional Ribeirão Shopping

Ribeirão Preto - SP / 14.026-020

Ver mapa

Artigo

Você é um agente de pequeno porte? ANPD já sinaliza regras específicas para microempresas e empresas de pequeno porte

No fim do mês de agosto, a Autoridade Nacional de Proteção de Dados (ANPD), órgão responsável por zelar pela proteção de dados pessoais e editar regulamentos e procedimentos para tanto, publicou uma minuta para regulamentar a aplicação da Lei Geral de Proteção de Dados Pessoais (LGPD), para microempresas e empresas de pequeno porte.

A primeira versão da resolução decorre de uma disposição expressamente prevista na lei. O art. 55-J, inciso XVIII, da LGPD, prevê a edição de normas, orientações e procedimentos simplificados e diferenciados para esses agentes de tratamento por parte da ANPD. Assim, os elementos previstos no rascunho da resolução trarão uma disciplina especial da LGPD para esse grupo de empresas – que receberam inclusive uma denominação específica.

Segundo a ANPD, os “agentes de tratamento de pequeno porte” seriam as microempresas, empresas de pequeno porte, startups, e pessoas jurídicas sem fins lucrativos. Além disso, segundo a minuta, se incluem nessa categoria pessoas físicas e entes sem personalidade jurídica própria que realizam tratamento de dados pessoais que assumem atividades típicas de controlador ou operador.

Tendo em vista a importância que os pequenos negócios representam para o país, e a quantidade de pequenas empresas no Brasil, a Autoridade Nacional volta a sua atenção nesse seu período inicial de atuação para que esses tipos de agentes tenham a sua adequada flexibilização para a conformidade das obrigações e das regras previstas na LGPD. O documento disponibilizado não prejudica novas disposições em regulamentos específicos posteriormente.

Além disso, foi levada em consideração a dificuldade de conformidade dos agentes de pequeno porte com relação à segurança da informação, que é um dos pilares da LGPD, a qual demanda a adoção de medidas técnicas e de segurança por parte dos agentes de tratamento, conforme seu art. 50.

Com a resolução, haveria a dispensa da indicação do Encarregado, do fornecimento da declaração completa sobre a existência ou acesso a dados pessoais, bem como de manter o registro das operações. Contudo, a dispensa e a flexibilização não são aplicáveis àqueles que realizem tratamento de alto risco e em larga escala. Dessa maneira, a Autoridade Nacional busca a facilitação dos procedimentos para trazer equilíbrio entre as regras da LGPD e o porte do agente, bem como contribuir para a disseminação da cultura de proteção de dados.

Ressalta-se que a ANPD abriu para consulta pública por meio da plataforma Participa + Brasil a minuta para o envio de contribuições por parte da sociedade, para que interessados possam colaborar com a elaboração do regulamento. A audiência pública sobre a minuta de norma foi realizada nos dias 14 e 15 de setembro, e o período de contribuições se encerrará no dia 29 de setembro.

 

MARINA PEREIRA DINIZ

Advogada. Graduada em Direito pela Universidade Estadual Paulista “Júlio de Mesquita Filho” (UNESP). 

Envie seu comentário

    Comentários

    Nenhum comentário.